Audiovisual - DEBATE: “Duas expressões da fantasmagoria no cinema.

15:20


Com a escolha, por meio do meu amigo Torquato, para ser diretor de arte do seu longa metragem, Ambiente Familiar,  articulei de imediato uma equipe para darmos inicio aos trabalhos de pesquisa e de aprofundamento dentro do roteiro. Uma das pessoas que estava presente dentro do processo era minha amiga, Dayse Ramos,  que reside em Paris e faz mestrado em cinema, e veio participar como estagiária. Após sucessivas conversas, conseguimos formatar um projeto cujo tema foi "Duas Expressões da Fantasmagoria no Cinema",  colocado em prática na UFPB,  no auditório II do CCHLA. O tema consistiu na questão dos fantasmas que não necessariamente precisam provocar medo, onde atuei como mediador na mesa redonda e Dayse Ramos como palestrante.  A produção do evento ficou à cabo da Produtora Criativo  em parceria com o CCHLA e do setor COEX da Reitoria.









DEBATE: “Duas expressões da fantasmagoria no cinema: Ingmar Bergman & Kiyoshi Kurosawa”

19h, no auditório 411 do CCHLA da Universidade Federal da Paraíba, acontecerá o debate 
“Duas expressões da fantasmagoria no cinema: Ingmar Bergman & Kiyoshi Kurosawa”.
Na ocasião serão discutidas formas peculiares da representação de “elemento fantásticos” no cinema de autor, 
utilizando-se como exemplos os filmes O Silêncio (1963), de Ingmar Bergman, e Para o outro lado (2015), 
de Kiyoshi Kurosawa, que será exibido antes da discussão teórica. Serão também abordadas as soluções
 técnicas e estéticas utilizadas quando o escritor/roteirista/diretor opta por não deixar claro para o espectador 
se tal ou qual personagem representa efetivamente a materialização de um fantasma, ou se, por outro lado, 
aquilo que é mostrado na tela não é nada além da projeção onírica da mente de uma personagem real.
Com mediação do diretor de arte Romero Sousa, participarão da mesa redonda a pesquisadora
Dayse Ramos ( Paris VIII), o cineasta Torquato Joel e a psicóloga Patrícia Rodrigues. 
O grupo discutirá recursos de elementos fantásticos no cinema contemporâneo.
Texto de Wagner Monteiro e arte de Thiago Trapo.




  • Share:

You Might Also Like

0 comentários